Localização: Lisboa e Vale do Tejo, PORTUGAL,

Dificuldade: Fácil

Um encanto de percurso…

Ficha do Percurso

Denominação: PR5 SRD Caminho da Moura Encantada

Distância: 15,5 km

Tipo: Circular

Início/Fim: Largo do Mercado – Santa Clara GPS 39º 33’ 43,6”N | 08º 07’ 33,13”W

Grau de dificuldade: III

O Caminho da Moura Encantada é a maior Pequena Rota da rede de percursos do Sardoal e um dos mais interessantes. Os troços junto às linhas de água são fabulosos ao nível da paisagem e do edificado. Mas, o ponto alto do percurso, foi a visita guiada à Artelinho. A anfitriã foi a senhora Alina Rodrigues que, de uma forma entusiasmada e contagiante, mostrou a importância que o linho e a tecelagem tiveram para a região. A Artelinho para além de funcionar como museu também possui um centro de formação de trabalhos em tear e exposição/venda de produtos feitos à mão com base no linho.

Descrição

Com início em Santa Clara, Alcaravela, o percurso pedestre “Caminho da Moura Encantada” é um percurso circular com cerca de 15,5 km, que, apesar de apresentar algumas dificuldades pontuais, permite conhecer lugares fantásticos. Numa primeira fase, o traçado percorre a zona a sudeste da aldeia de Santa Clara. À saída da aldeia deparar-se-á com a Igreja Paroquial. Seguidamente percorrerá uma levada que outrora fornecia água para a azenha que encontrará do lado direito. Continuando o caminho, passará no parque de lazer da Rosamana, local de grande beleza natural, com mesas a convidar para um piquenique. Seguindo ao longo da ribeira irá encontrar diversas ruínas de antigas azenhas. Este percurso, implantado maioritariamente junto a cursos de água, permite apreciar a flora característica das zonas ribeirinhas, destacando-se os choupos, os amieiros e os salgueiros. Encontrará também em abundância outras espécies da flora mediterrânica, tais como a esteva, a carqueja, o rosmaninho, o medronheiro, a murta e, principalmente, a giesta. É também constante a presença do pinheiro bravo, do eucalipto e de algumas manchas de sobreiros, carvalhos e oliveiras. Seguindo o percurso, deparar-se-á com a Barragem da Lapa. Nesta zona e no que toca à avifauna, destacam-se o guarda-rios, o milhafre-preto, a garça e o corvo-marinho. Existem ainda diversas espécies piscícolas como a carpa, o achigã, a boga, o barbo, a perca e o bordalo. Mais adiante, no Pisão Fundeiro poderá apreciar uma ponte medieval/ moderna e as ruínas de um lagar. Chegando ao Vale Formoso, passará por ruínas de antigas habitações e, mais adiante, ao lado de um lagar que laborou até finais da década de noventa do século passado. Depois de passar pelo Pisão Cimeiro, chega à bonita aldeia da Saramaga, local de várias fontes, onde poderá refrescar-se. Será perto de Casos Novos, o local mais propício do percurso para encontrar vestígios da fauna que por aqui domina: a raposa, o javali, o saca-rabos e o coelho. Ao chegar a Chã Grande, encontrará as ruínas de um dos muitos moinhos de vento (9) que existiram nesta freguesia e que noutros tempos marcavam a sua paisagem. No final do percurso deparar-se-á com a Cooperativa Artelinho. A sua atividade está relacionada com a confeção artesanal de artigos de linho e produtos em vime e, mais recentemente, com a confeção de produtos alimentares em forno de lenha, como pão caseiro, tigeladas e bolos amassados. Se tiver tempo, entre e visite! O regresso à aldeia de Santa Clara faz-se por caminho plano em asfalto. Fonte: C.M. Sardoal.

[map

Map powered by MapPress
press]

No Related Posts

Complete a informação ou comente!

*